Gisberta

Bom dia.

Bom dia. Somos amigos. Aos poucos posso confiar em ti.

Tu tens nome?

Pode chamar-me de Gis

Giz?

Gisberta

Posso rabiscar-te? Posso violar-te?

Ah, menino... não se pede permissão para violar

 

Aguento a dor. Meu corpo só sente o bom. É como desligar-se do mundo.

...

Quando o mundo inteiro já esteve dentro de ti, o pouco que sobre já não dói.

Do pó viemos, ao pó retornaremos.

Não: da água viemos e para a água retornaremos.

(se ainda soubesse manter-me dentro da água como um dia todos soubemos)

 

Deixo você em mim. Quer? Dama da noite. Dama dos escombros.

Vocês querem brincar. Eu já não sei mais o que é um jogo. Parece-me errado.

É uma partida. Eu já perdi. Porque desde o início eu perdi. O juiz está do lado de vocês.

 

Um: no estômago

Dois: por trás

Três: pela frente

Quatro: ao lado

Cinco: na boca

Seis: repete o estômago

                        Sete: com a corda

Oito: com a madeira

Nove: fogo

Dez: nos olhos

Onze: cabelo

Doze: repete a boca, os olhos e os dentes

Treze: os Seios.

 

Catorze: teu líquido (só olhando)

 

Sem ar, em chamas, na terra. Faltou um elemento:

Terminaremos na água, onde começamos todos. Para onde só alguns voltam.  

 

Se este fosse um poço dos desejos...

Mas é só morte.

 

P.S. Não se preocupem, vocês já nasceram perdoados.